Sorologia da Raiva de cachorros




Pois é. Lá vem essa história novamente - mas adivinhem: tem muita gente com dúvida nisso, então atura ou surta

Se você tem um doguinho e pensa em viajar para fora da América do Sul com ele, este post é importante para você. Mas por quê? 

Bem, existe uma série de regras para viajar com seu cachorrinho de avião e, para países fora da América do Sul (e alguns outros locais) que já tiveram a raiva erradicada, você, portador do doguinho, precisa provar que ele está devidamente imunizado. 

NESTE POST falei sobre outra regra imprescindível e que deve ser realizada ANTES da sorologia: a implantação de um microchip. Ele é menos dolorido que uma tatuagem e mais seguro também.  

Agora, vamos entender esse processo e também falar um pouquinho sobre a minha experiência.

Criando Hábitos Saudáveis: Parte 1



Parte dos meus exercícios de inglês inclui assistir filmes legendados em inglês. Quando me sinto cansada e acho que posso desistir se a missão estiver muito difícil, escolho um filme que já vi e que, portanto, posso usar a colinha da memória em português.

Hoje escolhi rever "O mínimo para Sobreviver". Sim, uma escolha complicada. O filme fala sobre distúrbios alimentares, tendo como personagem principal uma jovem anoréxica. É a terceira vez que vejo esse filme e, todas as vezes, minha mente voou para uma lembrança da minha própria vida. 

Antes que eu conte qual é a lembrança, no entanto, preciso adiantar algo da história do filme - não veja isso como spoiler -: a garota não come porque se sente culpada por algo que a sua visão de vida desencadeou. Era apenas um desenho, uma percepção, mas para outra pessoa significou muito mais. Meu caso foi bem diferente, mas acho que vale contar, porque, afinal, de alguma forma passamos por dores parecidas. 

Então, senta aí que lá vem história!

Li e Indico: Sarah Maclean



Não lembro como cheguei nessa digníssima moça, mas ela me fez ter uma série de ressacas literárias incrível. Todos os livros que li por enquanto de Sarah Maclean são romances de época adultos, bem do estilo da Julia Quinn, Lisa Kleypas, Madeline Hunter... essas minhas queridinhas!

O primeiro trio foi a série "Os Números do Amor", que abre uma linha sucessiva de romances. Tenha cuidado e comece por eles se não vai perder muito das jogadas de personagens que a autora faz. 


O primeiro livro cheguei a falar separadamente aqui no blog. O link é esse AQUI! Calpúrnia, a mocinha deste livro, acabou sendo a minha predileta dos três, apesar de eu ter adorado a Isabel (do segundo) e a Juliana (do terceiro). Eles foram publicados pela maravilhosa Editora Arqueiro e estão com um preço meio salgado por enquanto, mas acredito que é só aguardar para voltar ao preço padrão da editora.

Sarah aposta em mocinhas engraçadas, corajosas e independentes, o que, sem dúvida, é o diferencial de seu trabalho. Os moçoilos  Os mocinhos são meio clichês, mas quem não teve uma batida errática por algum tempo que jogue a primeira pedra. 

Dá para ler um por dia sem problemas e surtar para ter a continuação! A segunda série que li foi "O Clube dos Canalhas", que, em termos cronológicos, é o próximo na sucessão de fatos acontecidos na primeira série. Apesar de eu ter adorado "Os números do amor", esta segunda série é e provavelmente sempre será minha favorita. 



Esta série foi publicada pela Editora Gutenberg, mas não perde em nada em termos de cuidado com a capa e com a edição em geral. A diferença é que o estilo dessa série ficou mais semelhante com o original, o que eu achei bem legal de certa forma, pois não esconde minimamente as origens "de banca". 

Apesar da primeira série ser maravilhosa, esta é a melhor sem dúvidas. Os quatro livros giram em torno do grupo de canalhas que administram o clube de jogos mais queridinho do 'submundo'. Cada canalha é mais engraçado que o outro e carregam consigo um contexto mais complexo que os mocinhos anteriores. 


A terceira e última série de Sarah até o momento é 'Escândalos e Canalhas'. Eu li e me apaixonei demais pelo primeiro livro (qualidade quase semelhante à da primeira série), comecei o segundo, mas não estou gostando e isso me dá um pouco de tristeza, devido à linda história de ressacas que criamos. Eles foram publicados pela Editora Gutenberg e o terceiro volume ainda não chegou ao Brasil. 

De toda forma, é aquele tipo de livro que entretém e relaxa, super válido para aquele dia frio ou para aquele momento que você quer um final feliz. <3 p="">


Minha experiência com Aliexpress




O Grupo Alibaba foi fundado em 1999 na China por Jack Ma, o cara que não foi selecionado para trabalhar em um fast food, mas que hoje possui bilhões de dólares em seu bolso. É a vida. Neste ano, a marca Alibaba foi eleita a terceira maior e mais influente marca chinesa, sendo vencida apenas pela Lenovo e Huawei. 

O Aliexpress é um bebê do Alibaba e o paraíso para pessoas que gostam de comprar suas coisas, mas que tentam economizar. A primeira coisa que precisam saber sobre o Aliexpress é que nem tudo que reluz é de ouro, então não se deixe levar pelos preços mais baratos e nem compre meio mundo porque vai dar zebra. A segunda coisa é que você deve ser um consumidor paciente ou vai infartar na primeira compra. 

Dito isto, contarei sobre as MINHAS experiências com compras no Aliexpress. Preciso salientar que nem todas as pessoas tiveram a mesma história que eu e com você pode ser diferente (tanto dessas pessoas quanto de mim). Cada caso é um caso! Mas vamos lá...


Tá, tudo bem, eu desapareci. 
Sabe aqueles períodos em que você precisa fazer uma imersão? Eu sou exatamente uma dessas pessoas que fazem isso de tempos em tempos - bem regulares - para organizar meus pensamentos, minhas perspectivas e, acima de tudo, saber o rumo que preciso tomar. 

O interessante é que toda imersão sempre traz algo de muito profundo e transformador para mim (acho que é por isso que tornei um hábito tão frequente.). Dessa vez, o dilema era entender quais eram meus objetivos até dezembro de 2017 e quais recursos eu precisava destinar a esses propósitos. Depois de bastante reflexão, acho que vou abandonar o tema atual da minha monografia, porque descobri que se trata de algo muito interno, muito pessoal e que não quero compartilhar dessa forma e que, além disso, descobri que "neurolinguística" é um tema muito mais adequado (inclusive para combinar com a minha próxima formação). Mais louco que isso é que depois de trabalhar por uma semana inteira sem um dia de folga, sem ter dormido praticamente nada, eu não consigo dizer para alguém que isso me deixa triste - eu AMO trabalhar MUITO. 

E fui um pouco mais além ao notar as pessoas ao meu redor. Há muitas pessoas que estão se esforçando demais para atender às expectativas de ciclano ou de fulano e esquecem do que elas querem de verdade. Tem uma menina do meu facebook, por exemplo, que fez faculdade, mas o sonho dela mesmo era ser blogueira de moda e não, a faculdade dela nada tem a ver com moda ou com marketing ou com comunicação. Sei que ela fez isso porque os pais pressionaram ou porque ela achava que devia porque todos do seu círculo estavam fazendo, mas não era, de fato, uma vontade intrínseca dela. Assim como ela, vejo outros construindo uma aparência milimetricamente adequada ao grupo no qual estão inseridos, mas acho que eles não estão tão satisfeitos quanto sugerem as fotos. 

Foi assim que finalmente entendi a lição mais importante que a vida me ensinou desde que minha humilde existência deu uma cambalhota em 2014. As escolhas nunca são fáceis e, muitas vezes, o caminho que se deve seguir é um tortuoso, que as pessoas irão desencorajar, mas é o seu caminho. Os passos que acabamos dando são motivo de desagrado, crítica e descrença dos que estão ao nosso redor, mas são os nossos objetivos que devem direcionar o rumo do barco. Foi um caminho espetacularmente desafiador, mas hoje consigo sentar nesta cadeira, digitar neste computador, e ter a certeza de que sou hoje exatamente a pessoa que eu gostaria de ser. Então, no fim deste trajeto que parecia nunca ter fim nestes três anos (e algo antes disso), era que eu queria me tornar quem sou agora. 

O meu passado é tudo quanto não consegui ser. Nem a sensação de momentos idos me são saudosas: o que se sente exige o momento; passado este, há um virar de página e a história continua, mas não o texto. 
Fernando Pessoa

Todos os dias listo meus objetivos. Todos os dias me pergunto o que preciso fazer para alcançá-los. Todos os dias digo para mim que é possível. Todos os dias dou um sorriso gratuito para alguém que parece cabisbaixo. Todos os dias penso que tenho muita sorte.  

Quais pensamentos habitam sua mente hoje?
 
Blog © Desenvolvido por Gabi Mello e Liliana Lacerda
voltar para o topo